domingo, 25 de novembro de 2018

QUÍMICA NO ENEM

                Bolsistas: Bruna
                Bolsistas: Neir



E aí galera, gostaram da última prova do ENEM? Nesse post vamos analisar uma das questões da prova do ENEM/2012 questão de Ciências da Natureza e suas Tecnologias: na área de conhecimento da Química. Tomei como base a prova do caderno azul, veja a figura 1. Com a intenção de esclarecer as dúvidas geradas sobre a questão. Tópico: Funções Orgânicas.



                                      Figura 1: ENEM-2012-Questão 49 caderno azul



Fonte: FOGAÇA, Jennifer Rocha Vargas. Dicas de Química Orgânica para o Enem. Disponível em: <https://vestibular.mundoeducacao.bol.uol.com.br/enem/dicas-quimica-organica-para-enem.htm.>.


Antes de resolvê-la, vamos relembrar de alguns conteúdos importantes da química orgânica que envolve a resolução desta questão.
 A Química Orgânica é a área que estuda os compostos formados pelo carbono “C”. Como o carbono é tetravalente, ele realiza quatro ligações, que podem ser simples, duplas ou triplas, essas ligações químicas podem ser entre átomos de carbono ou entre o carbono e outros átomos.

Funções Orgânicas
A primeira coisa que você precisa dominar para preparar-se para as questões de Química Orgânica no Enem é reconhecer as funções orgânicas. Para tal é preciso saber identificar  de acordo com a tabela 1, os grupos funcionais que constituem essas funções que são cobrados com muita frequência, por isso ,estude esse conteudo.

Tabela 1: Grupos Funcionais
Nome da funções
Caracteristica
Grupos funcionais




Hidrocarbonetos
Possuem apenas C eH
Alcanos: apenas ligação simples na cadeia.
Alceno: uma ligação dupla.
Alcino: uma ligação tripla.
Ciclocano: um alcano de cadeia fechada.
Aromático: possui anel benzenico




Álcoois
Função oxigenda.
Hidroxilas (-OH) ligados a um carbono.


Éteres
Função oxigenda.
Oxigenio ligados entre duas cadeias carbono.


Fenóis
Função oxigenda.
Hidroxila (-OH)  e carbono ligados  ao anel benzeno.
Aldeídos
Função oxigenda.


Cetonas
Função oxigenda.
São compostos que têm um grupo carbonila (C=O) ligado a dois carbonos




Ácidos Carboxilicos
Função oxigenda.
São compostos que no final das cadeias de carbonos têm um grupo hidroxilo (-OH) e um grupo Carbonilo (C=O) ligados ao mesmo carbono.


Ésteres
Função oxigenda.
São compostos que na cadeias de carbonos têm um grupo carbonila (C=O) ligado a um carbono e o mesmo carbono ligado a um oxigênio.




Aminas
Função nitrogenada.
São compostos que no terminal (ou no meio) de uma cadeia de carbonos têm um grupo amina (-NH2 , -NH- ou –N-- ).



Amidas
Função nitrogenada.
São compostos que têm um átomo de (N) ligado ao grupo carbonilo (C=O).


Derivado de hidrocarboneto pela a substituiçao de um ou mais atamo de hidrogenio pelo atamo de halogênio (X=Cl, B..)

Observações
1.     Não confudir a função dos fenóis com  dos álcoois (ambos possuem o gurpo OH).
2.    Não confudir a função dos aldeídos com das cetonas (ambos possuem o grupo carbonila C=O).

Nomenclatura
A Nomenclatura IUPAC (União Internacional de Química Pura e Aplicada, em português), foi criada para auxiliar o estudo das funções orgânicas. Nela você também encontrará, a nomenclatura oficial segundo as regras da IUPAC para os compostos orgânicos, e a forma correta de escrever cada um dos compostos ogânicos.

Dicas de Química Orgânica, que é um conteúdo bastante recorrente no Enem. A quantidade de questões que envolvem essa matéria cresce cada vez mais. Sempre que for analizar uma cadeia de carbono, deve-se indentificar e destacar qualquer elemento diferente do carbono, isso facilitara na identificação das funções orgânicas. Assim ao analizar as funçôes dadas na questão  podemos afirma quais as funções presente nas biopesticidas, piretrina e coronopilina. Na Piretrina, temos uma ligação dupla de oxigênio (C=O) e outra simples de oxigênio (C−O), entre elas encontra-se um carbono, e a cadeia  continuando caracterizando um éster. Já na outra função na mesma molécula da peretrina, temos uma dupla ligação com o oxigênio (C=O) isolando, carbonila caracterizando a cetona. E na coronopilina tem três funçoes orgânias, novamente uma ligação dupla de oxigênio (C=O) e outra simples de oxigênio (C−O), entre elas encontra-se um carbono, e a cadeia  continuando caracterizando um éster, e outra carbonila (C=O) isolando  representando a função cetona, na mesma molécula  encontra se no superior dela uma hidroxila(-OH)   ligada a uma cadeia de cabono caracterizando a função álcool, De acordo com a figura 2. Potanto podemos concluir que as funções encomum presentes simultaneamente nos dois biopetiscidas são éster e cetona, assim afirmando que a respota correta do gabarito e alternativa b).

Figura 2: Indentificação das Funções.

Fonte: Google imagens.

Comentário: De uma maneira geral essa questão tem como classificação de nível baixo questão simples e clássica de reconhecimento de funções orgânicas, e a abordagem da questão relacionada ao meio ambiente. O aluno deve ficar atento aos elementos químicos diferentes de carbono e hidrogênio. Esses sempre representam (isolados ou em conjunto) uma função orgânica.

REFERÊNCIAS
 ENEM - Exame Nacional do Ensino Médio. Disponível em:
<https://www.suapesquisa.com/enem/>. Acesso em 12 setembro de 2018.
SERPA, Luiz. Química no Enem: confira os assuntos que mais caem no exame. Disponível em:
Conteúdos de Química para o Enem. Disponível em:
Funções Orgânicas. Disponível em:
<https://www.todamateria.com.br/funcoes-organicas/>. Acesso em 18 setembro de 2018.
FOGAÇA, Jennifer Rocha Vargas. Dicas de Química Orgânica para o Enem. Disponível em: <https://vestibular.mundoeducacao.bol.uol.com.br/enem/dicas-quimica-organica-para-enem.htm>. Acesso em 18 setembro de 2018.

sexta-feira, 2 de novembro de 2018

Protetores solares e sua importância para nossa pele



Bolsistas: Loane Machado dos Reis
Bolsistas: Taynara Carneiro Silva
Olá, pessoal! Hoje vamos falar de um assunto que não pode ficar sem esclarecimentos.... O protetor solar e sua importância para nossa pele.

Não é de hoje que as dúvidas existem sobre qual melhor protetor. Qual fator utilizar? Qual o ideal para sua pele? Enfim, que marca usar?

Bem, vamos começar devagar! No Brasil a maior parte do ano há Sol e com a chegada do verão devemos ter ainda mais cuidado, ou seja, o uso de protetores solares deve fazer parte da nossa rotina diária. Iremos apresentar diversos fatores que nos levam a utilizar protetor solar: evitar manchas na pele, queimaduras, insolação, flacidez, câncer na pele causado pelo longo período de exposição ao Sol entre outros fatores. 

O aumento considerável da radiação relacionado diretamente ao aquecimento global nos leva a uma reflexão sobre os cuidados com a nossa pele. Os filtros solares ou protetores solares são substâncias que aplicadas sobre a pele protegem a mesma contra a ação dos raios ultravioletas do Sol (ARAÚJO, 2008). Com isso é de suma importância conhecer as faixas de radiação UV (100 a 400nm) conforme ilustra a Figura 1.

Figura 1: Faixas de radiação UV

E agora vamos conhecer as principais características dos filtros solares:

UVA: Responsável pela indução do bronzeamento ou pigmentação por meio do escurecimento da melanina, não causa eritema (vermelhidão da pele causada por vasodilatação dos capilares cutâneos), no entanto, com tempo, causa danos ao sistema vascular e induz o câncer da pele. 

UVB: Ocasiona queimaduras, eritemas solares, causa envelhecimento precoce das células, além de aumentar os riscos de mutações fatais deixando os sintomas de um câncer camuflados.  Essas reações podem ir desde o estímulo de produção de melanina até leves queimaduras e mutações no DNA que têm sido mais frequentes nos últimos anos (FLOR; DAVOLOS e CORREA, 2006).

UVC: Essa radiação contém elevadas energias, isto é, extremamente prejudicial ao ser vivo, não ultrapassa a estratosfera.

O especialista Thomas Fitzpatrick classifica a pele em 6 tipos; 1 e 2, peles muito brancas e brancas; 3 e 4, peles ligeiramente morenas e morenas; 5 e 6, peles muito morenas e negras. Características determinantes para escolha do produto certo, como pele oleosa, seca ou extra-seca; as diversas marcas lançam diversas opções. Vale ressaltar que temos que ser criteriosos nas nossas escolhas. Mas na realidade é uma questão bastante peculiar de pessoa para pessoa e o tempo para que surjam eritemas em sua.

Ainda precisa considerar o fator que define sua função de protetor solar (FPS). Nesse sentido, ao considerarmos as condições climáticas, estação do ano, localizações geográficas e determinados períodos do dia uma pessoa de pele clara entre os tipos 1 e 2 exposta ao Sol sem proteção por apenas vinte minutos, com proteção 300 minutos com FPS 15. Pois o que determina o fator e o tempo que uma pessoa pode ficar ao Sol sem danos pode ser pelo fator escolhido. Assim, quanto maior o FPS, maior será o tempo de proteção. O valor do FPS é calculado pela Equação:




Os filtros ou protetores solares podem ser orgânicos ou inorgânicos com seus efeitos químicos e físicos. São produtos químicos destinados a proteger a pele quando utilizados de forma correta. 

Filtros orgânicos: são formados por moléculas orgânicas capazes de absorver a radiação UV (alta energia) e transformá-la em radiações com energias menores e inofensivas ao ser humano.

Filtros inorgânicos: Os filtros solares inorgânicos são representados por dois óxidos, ZnO (Óxido de Zinco) e TiO2 (Dióxido de Titânio). Esses filtros solares representam a forma mais segura e eficaz para proteger a pele, pois apresentam baixo potencial de irritação, sendo, inclusive, os filtros solares recomendados no preparo de fotoprotetores para uso infantil e pessoas com peles sensíveis.


É importante ressaltar também que o uso de protetor solar não está ligado somente aos dias de Sol, mas também para o inverno e que se utilizado na dosagem errada pode causar danos à nossa pele, já que sua eficácia está intimamente relacionada à maneira como o utilizar. Portanto, fiquem atentos aos cuidados com sua pele, principalmente quanto ao período de aparecimento de eritemas.

Referencias bibliográfica
ARAUJO, T. S. E.; SOUZA S. O. Protetores Solares e os efeitos da radiação Ultravioleta. Scientia Plena, São Cristóvão, v. 4, n. 11, Ago. 2008. Acessado em: 30/09/2018
FLOR, J.; DAVOLOS, M. R.; CORREA, M. A. Protetores Solares, Agosto 2006. Disponível em: Acesso em:01/10/2018
http://ref.scielo.org/kj6jz2, acessado em:04/10/2018

quinta-feira, 1 de novembro de 2018

Grude da Química


Bolsista: Valdirene Duarte silva
Bolsista: Junielson de Jesus Martins
Olá Galera!
Hoje trago para vocês o jogo Grude da Química, que tem por objetivo auxiliar no aprendizado das moléculas orgânicas, quando as estruturas são montadas é possível colocar até mesmo as ligações química, e assim os alunos são influenciados a discutir entre si, a disposição de cada elemento, transformando o modelo de fixação prazeroso e descontraído.
                                                         Figura 1: Grude da Química
                                                     Fonte: https://quimicaempratica.com
Para montar o jogo é preciso ter uma placa de metal e uma caixa de imãs com átomos de hidrogênio, carbono, nitrogênio, oxigênio e os halogênios e também as ligações químicas, para que sejam montadas as moléculas.
                                         Figura 2: Como Montar as molécula
                                                  Fonte: https://quimicaempratica.com

 Regras
O professor devera dividir os alunos em dois grupos, eles deveram estar ambientados com a química orgânica. Sorteara um composto orgânico para cada grupo, que não deverá saber qual a molécula do outro grupo e montara separadamente.
Não haverá consulta ao material didático, cada equipe pode ter um erro por rodada, se assim ocorrer, terá uma chance para a correção e se tornarem a errar perderá a chance de tentar novamente. Ganha o grupo que acumular mais acertos.
Pontuação

Ø  3 pontos – Acerto na primeira chance da rodada
Ø  1 ponto – Acerto na segunda rodada
Ø  0 pontos – Resposta errada
Dadas as regras agora é só aproveitar pessoal e desfrutar o máximo, esse jogo pode utilizado em outras matérias como isomerias, usando a sua criatividade.

Referências
MERKLE,A.;VICENTE,R.;HARDT,T.quimicaempratica.com/2015/10/06/jogo-grude-da-quimica.

sábado, 2 de dezembro de 2017

Plástico Biodegradável

 
Bolsista: Karla Nara
Olá, caros leitores.
            Segundo Antunes (2013) os plásticos, em sua maioria são produzidos a partir de derivados do petróleo, dispondo assim de características: resistente, maleável e com uma durabilidade extensa. Além disso, apresenta uma alta resistência á degradação quando colocado ao meio ambiente. Consequentemente, permanece muito tempo no ambiente.
De acordo com o Ministério do Meio Ambiente o tempo de degradação, quando disposto ao meio ambiente é de 400 anos para os plásticos oriundos do petróleo. Diante do exposto, pesquisas vêm sendo realizadas com intuito de produzir plásticos que sejam biodegradáveis, ou seja, com o propósito de minimizar a produção e, em consequência, o acúmulo de resíduos de polímeros sintéticos no meio ambiente. (SCHLLEMER, 2013)
No momento atual, relevantes pesquisas apresentam a produção de um plástico biodegradável produzido a partir do amido vegetal, como mostra a Figura-1. Uma vez que, o amido “é um dos materiais que pode participar da elaboração desse material, sendo biodegradável quando lançado no meio ambiente”. (HENRIQUE, 2008, p. 231)

Figura 1- Plástico Biodegradável
Fonte: http://www.sobiologia.com.br/conteudos/jornal/noticia3.3.php

            As principais fontes de amido utilizado na produção desses plásticos são          o milho, mandioca, trigo e entre outros. Mas o que seria o amido? é um polissacarídeo constituído de centenas ou milhares de unidades de glicose. De acordo com Antunes (2013), os polissacarídeos são polímeros que contém uma enorme quantidade de monômeros chegando até mesmo milhares, geralmente é constituído por glicose, em cadeias lineares ou ramificadas dependendo do tipo de polissacarídeo.  Na Tabela-1 a seguir mostra os tipos de polissacáridos e seus monossacarídeos constituintes:
Monossacarídeos
Polissacarídeo
Fonte
β - Glicose
β - Glicose
Celulose
Parece celular dos vegetais
α - Glicose
α - Glicose
Amido
Arroz, milho, trigo, batata.
α - Glicose
α - Glicose
Glicogênio
Células de fígado ou do tecido muscular.
Fonte: ANTUNES, 2013.
No amido as moléculas de monômeros estão unidas por ligações glicosídicas alfa, vista na Figura-2. (ANTUNES, 2013)

Figura 2- Composição do amido
Fonte: http://reocities.com/CapeCanaveral/launchpad/9071/amido1_4.gif

Diariamente, o amido é visto em nosso cotidiano, uma vez que é encontrado em cereais como o milho, trigo e aveia, nos bolos, pães, massas, biscoitos, legumes (batata mandioca, etc). Além disso, é um dos principais ingredientes de muitos produtos, pois é empregado para proporcionar consistência, textura e entre outros.
Verifica que todos os vegetais realizam o processo de fotossíntese. Neste processo visto na reação a seguir, o gás carbônico reage com água, na presença de luz, formando glicose e oxigênio. Parte dessa glicose é convertida em amido e armazenada. (ANTUNES, 2013)

CO2 + H2O      LUZ                C6H12O6+O2

Portanto, a produção de plástico biodegradável a partir do amido vegetal é uma alternativa aos plásticos de origem petrolífera, por apresentar características favoráveis no processo de degradação.

 

Referências:
ANTUNES,M.T. Ser protagonista: Química, 3° ano: ensino médio. 2. ed. São Paulo: Edições SM, 2013.
HENRIQUE, C. M; CEREDA, M. P; SARMENTO, S. B. S. Características físicas de filmes biodegradáveis produzidos a partir de amidos modificados de mandioca. Ciência e Tecnologia de Alimentos, Campinas, v. 28, p. 231-240, mar. 2008.

SCHLLEMER, M, A. Preparação e caracterização de biofilmes à base de manipueira para imobilização de caulinita intercalada com ureia. 2013.103f. Dissertação (Mestrado em Tecnologia em Processos Químicos e Bioquímicos)- Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Paraná, 2013.