terça-feira, 1 de julho de 2014

Lâmpadas fluorescentes e os efeitos tóxicos

Bolsista: Roniel Francisco dos Santos
Olá pessoal do blog!Prosseguindo com nossos estudos sobre as lâmpadas, hoje iremos falar a respeito da lâmpada fluorescente e a sua toxicidade. As lâmpadas que contém mercúrio são as fluorescentes, tubulares e compactas, representadas na figura 1.


Figura 1: lâmpadas fluorescentes


            A lâmpada fluorescente é constituída por um tubo de vidro recoberto internamente por materiais à base de fósforo. O tubo é preenchido por um gás inerte (argônio, neônio, criptônio ou xenônio.) e por vapor de mercúrio. Nos extremos das lâmpadas existem dois eletrodos, formados por tungstênio ou aço inox.
            Quando a lâmpada é ligada, a corrente elétrica sai do polo negativo (ânodo) em direção ao polo positivo (cátodo), criando uma corrente elétrica dentro do tubo.Esse fluxo de elétrons ioniza o gás que preenche a lâmpada, fazendo com que os elétrons se espalhem, preenchendo seu interior. Quando esses elétrons se chocam com os átomos de vapor de mercúrio, recebem energia, o que provoca a emissão de radiação ultravioleta (UV). A radiação produz luz visível, gerada pela camada de fósforo presente na parede do tubo que, dependendo da mistura fosforosa aplicada, dará a tonalidade da coloração emitida. O funcionamento interno da lâmpada é ilustrado na figura 2.


Figura 2 funcionamento da lâmpada fluorescente. Fonte: http//qnint.sbq.org.br

A fluorescência é a capacidade de emitir luz, que uma substância tem, quando exposta à radiação ultravioleta.As radiações são absorvidas e transformadas em luz visível, ou seja, com um comprimento de   onda maior. Nas lâmpadas fluorescentes os compostos à base de fósforo, como o halofosfato de cálcio [Ca5(F,Cl)(PO4)3:Sb, Mn], que revestem os tubos, são os responsáveis pela luz branca emitida.

A toxicidade presente nas lâmpadas fluorescentes
O mercúrio (Hg), é um metal de cor prateada, que em condições normais de temperatura e pressão, apresenta-se na forma líquida. Está localizado no grupo 12 ou família 2B, no grupo dos metais de transição da tabela periódica dos elementos químicos. A figura 3 ilustra o mercúrio em condições normais.

                    Figura 3: mercúrio em condições normais de temperatura e pressão.

Quando o mercúrio é absorvido, na forma líquida ou gasosa, no instante em que entra no organismo, ocorre a oxidação, ou seja, ele muda seu nox de 0 para 2+,
Hg0-----------Hg2+, perdendo 2 elétrons,
Portanto, uma vez oxidado, ele forma compostos solúveis que se ligam às proteínas e aos álcalis dos tecidos, provocando desintegração de tecidos e bloqueio dos sistemas enzimáticos fundamentais para a oxidação celular, agindo como veneno protoplasmático, ou seja, agem diretamente nas células.
O mercúrio contido nas lâmpadas pode contaminar o solo, as plantas, os animais e a água. Uma só lâmpada não oferece quase nem um risco, mas no Brasil, o comércio movimenta cerca de 100 milhões de lâmpadas por ano, elevando assim o potencial de poluição. As indústrias de reciclagem de lâmpadas com mercúrio são responsáveis por 6% das lâmpadas queimadas no país. Os serviços privados de reciclagem e descontaminação dessas lâmpadas ainda são muito caros, o que agrava ainda mais a situação.
Espero que tenham gostado.Bons estudos e até a próxima.

Referências:
 Durão Júnior, W.A; Windmöller, C.C. A questão do mercúrio em lâmpadas fluorescentes. Química nova na escola, n° 28, maio 2008.
Infoescola, química/elemento mercúrio. Disponível em:
Areaseg, tóxicos/mercúrio. Disponível em:
http://www.areaseg.com/toxicos/mercurio.html> Acesso em 06 de junho de 2014.

Um comentário: